25 de dezembro de 2009

Crônica especial de fim de ano


FOLIA DE REIS
De Gildázio Vieira
gilvisan@sunrise.ch

Sempre me recordo os acontecimentos da minha infância e adolescência lá no meu Sertão longínquo, dentre essas recordações, a Folia de Reis. O ano demorava a passar, parecia 10 em 1, e quando chegava 31 de dezembro, meus irmãos e eu não dormíamos, ficávamos esperando dar meia noite, era a chegada de Miguel Tamangano e sua família para cantar o “reis”; primeiro na Igreja da nossa querida Santa Luzia, depois na casa do meu pai (ele tinha uma promessa de dar 10 cruzeiros ao primeiro “reiseiro” do ano.)


Era só alegria, acompanhávamos os “reseiros” e em cada casa a linda cantiga folclórica: “Por aqui “lá vai” chegando os 3 reis do Oriente, “vai” chegando e vai dizendo ó de casa nobre gente” depois as gaitas e o zabumba, que maravilha! Como era bonito! Miúdo no zabumba era “os exemplos,” bom demais, e na hora do samba ele repicava seu instrumento que até dava reboliços nas entranhas, meu irmão Gilvan, o 5° pela ordem de nascimento, era fã n° 1 do Miúdo, sempre ao seu lado, seguia-o todo o dia, nem comia.


Mas, em abril (o ano só Deus sabe) para a tristeza do Gilvan, Miúdo foi para São Paulo. Ele sempre comentava: “Será que Miúdo vai estar aqui no fim do ano? Sem ele não tem graça os “reiseiros”, nem vou ver, vou é dormir”. Era mesmo seu admirador.


Os Campos, dentre os povoados de Sebastião Laranjeiras é o mais festivo, de pessoas inteligentes e lugar de artistas, minha mãe nasceu lá, espero ter sido agraciado com alguns genes campistas. Pois é, uma linda noite o forró comia solto na casa do Sr. José Silva, grande sanfoneiro! E nesse dia à tardinha, de surpresa tinha chegado o Miúdo, depois de ter passado 4 meses no sul; foi logo visto frente à casa debaixo de um umbuzeiro sentado num carro de boi, de óculos escuros, no bolso da camisa um pente, uma escova de dente e no bolsinho da calça um espelho que ele sempre o olhava para ajeitar os cabelos e mostrar a foto de uma mulher pelada no verso, mostrava discretamente, claro; 4 meses fora e não reconhecia ninguém, sempre perguntava algo como, quem era o pai, etc., para ajudar a sua memória e falando difícil, carregando nos R, falando cantado. Alguns baianos quando vão prá São Paulo, voltam de propósito com aquele sotaque horrível, se esquecendo que dentre os inúmeros sotaques da língua portuguesa no Brasil, o nosso sotaque baiano é o mais bonito, mais charmoso e mais sexy.


Dentro da casa o forró animado, o Gilvan a dançar atarracado com uma linda morena, quando alguém o falou: “Gilvan, Miúdo ta lá fora”. Ele deixou a morena no meio da sala e saiu em disparada para abraçar o seu ídolo. Chegou perto dele de braços abertos e gritou: Miúduudoooo! Prá sua decepção, Miúdo, inerte, perguntou: “Quem é você? Não estou te reconhecendo, você é filho de quem mesmo?”. “Ah não?” disse o Gilvan, “não ta me reconhecendo não, é?” E deu-lhe uma porrada, aí Miúdo gritou: “Poxa Vanzinho, que brutalidade é essa?
”.



E muitos anos depois...
Aproveitando a visita do Sr. Gilvan à sua terra natal, fomos até o Miúdo, que mora na Fazenda Mangabeira, um povoado perto do Mato Grosso.


Seguindo informações colhidas de sebastianenses da Mangabeira, íamos a caminho da casa do Miúdo. Ao chegarmos no local, perguntamos à uma garotinha que estava na frente da casa se lá era mesmo a casa do Miúdo, ela disse que não mas vimos um senhor descendo a rua, andando com dificuldades, logo  o fã reconheceu o ídolo e foi ao seu encontro enquanto a garotinha dizia que aquele que descia a rua era ele e eis que depois de muitos anos, o fã reencontrou seu ídolo.

Gilvan e Miúdo

O ídolo fez igual à crônica acima, demorou um pouco para lembrar mas logo eles se reconheceram e lembraram com saudade de épocas de outrora. Muitas histórias muito engraçadas e até um autógrafo o Sr. Gilvan pediu ao seu ídolo que não se fez de rogado e logo pediu uma caneta e assinou num pequeno papel para um fã muito especial e ainda teve uma palhinha com um balde que estava jogado ao lado e com um pequeno pedaço de madeira e um "resto" de guarda-chuva foi o bastante para voltar a anos atrás e marcar um dia muito especial na vida deles dois.

 















Comentários
1 Comentários

Um comentário :

Talita Vieira disse...

Gostei muito da"crônica especial de fim de ano"especialmente porque meu pai é citado nela espero que continuem assim com matérias interessantes .Parabens a todos não só por essa matéria mas por todas que venho acompanhando.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
MyFreeCopyright.com Registered & Protected
O conteúdo deste site é disponível para cópia e divulgação só exigindo a menção da fonte. Caso contrário infringe regras e leis de direito autoral conforme a Lei 9610/1998.